“Para algumas pessoas é só uma questão de tempo,” diz Downey para Rich Cohen, editor contribuinte da Vanity Fair, sobre combater seus demônios. “é perfeitamente normal pessoas serem obsessivas por coisas em um período de tempo e depois esquecê-las.” Quando perguntado pelo acidente de 1996 do qual os vizinhos de Downey chegaram em casa e descobriram que o ator desmaiou na cama do seu filho de 11 anos, ele diz a Cohen que isso foi “uma ocorrência atípica para mim. Acabou por ser uma muito falada. Eu não era o tipo de cara que desmaiava.”

Falando sobre seu período na Clínica de Reabilitação e Prisão Estadual da Califórnia e o processo de retornar a sua antiga vida, Downey diz, “O primeiro passo é sair daquela caverna. Muitas pessoas conseguem sair mas não conseguem mudar. Então, a questão é sair e reconhecer a significância dessa negação agressiva de seu passado, passar pelo forno e sair forjado como um metal mais forte. Ou tanto faz. Mas eu nem sei se essa foi a minha experiência. É engraçado: cinco anos atrás eu teria feito isso soar como se eu estivesse consciente de minha participação em aproveitar as semelhanças. Mas tantas coisas se tornaram menos certas. Eu juro por Deus. Não sou minha história.”

Downey fala para Cohen que ele provavelmente tenha herdado seus vícios, que leva a discussão ao seu filho Indio, um músico de 20 anos que recentemente foi levado em custódia por posse de drogas. “Ele é filho de sua mãe e meu filho, e ele chegou ao abismo mais rápido do que nós,” disse Downey. “Mas isso é típico da Era da Informação; as coisas se aceleram. Você é confrontado com histórias e predisposições, influências, sentimentos e traumas não conversados ou necessidades não cumpridas, e de repente você está 5 km dentro da floresta. Você consegue ajudar alguém a sair dessa floresta? Sim, consegue. Não se perdendo enquanto tenta ajudá-los.” Depois de uma pausa, Downey adiciona, “Escolha uma disfunção e essa é um problema de família.”

Cohen conversa com Downey na sua casa em Malibu, que não só apresenta um gigante R no gramado mas também um curral com duas cabras e algumas alpacas (das quais ele não sabe porque tem) mas é casa para sua extensa coleção de carro, que inclui um Porsche, um Corvette e um “Ford F150. Bentley deu-me ao invés de um pagamento póstumo por Homem de Ferro 3. Volvo. Esse é um Woody. Aquele é um Mustang Boss 302 de 1970. Aquele um Mercedes-Benz Pagoda 1970. Aquele é meu querido amigo, o Audi, com quem eu tenho tido um adorável relacionamento desde o primeiro Homem de Ferro. É um A8. Aquele um Audi R7, indiscutivelmente um dos melhores carros já feitos. Esse é um Mercedes-Benz Wagon. Aquele um GTI VW 2011.” Quando Cohen pergunta a Downey se essa era uma coleção pós-Homem de Ferro, Downey diz, “Tá brincando? Antes disso, eu não tinha nem o GTI.”

Sobre Homem de Ferro, Os Vingadores, e o ressurgimento da Marvel Comics, Downey diz a Cohen, “Eu parti de estar convencido que eu era o único inteiro na aprovação de um fenômeno a perceber que eu era o líder do primeiro de uma série de filmes que criaram uma reação em cadeia que, se as coisas não saíssem do jeito que deveriam, não havia operador, nada. E você fica ‘Ok, a vida está fazendo algo aqui que me incluiu mas não exigia de mim. Mas, sim, esse personagem significa muito. Marvel é meio que essa irmandade sagrada.”

Downey conversa com Cohen sobre O Juiz, o primeiro filme da Team Downey, uma companhia de produção que ele e sua esposa Susan formaram juntos: “Foi o primeiro projeto da Team Downey, mas havia algo no processo que era provocativo. Eu poderia me pegar me arranhando durante toda sessão de trabalho, por causa das constelações sendo abrangidas pelo assunto, essa ideia de ir para casa, no caso, retornar, relações fragmentadas, o drama de tudo isso. Foi um grande experimento- com créditos a Susan e um pouco da minha influência. Como faremos isso quando termos a oportunidade? Ok, aqui está a corda, pessoal.”

Downey fala Cohen que ele está “muito ansioso” pelo bebê que ele e Susan estão esperando e mostra a Cohen a última novidade da sua coleção de carro: um Honda Odyssey. “Se eu vou ter dois deles em cadeirinhas, então eu tenho que estar preparado,” ele disse.

Em uma vídeo-entrevista na VF.com, Downey diz, “Outra coisa engraçada sobre fazer esse tipo de filme de ação é que você não quer ser o cara gordinho,” revelando que faz kung fu, treinamento de força, Qigong, e Tracy Anderson. Quando perguntado sobre sua fraqueza em relação à comida, ele responde: “Sorvete. Cheeseburgers. Me ouça. Eu quero um cheeseburger. Eu quero bacon nele. Eu sei que não deveria, mas eu quero muito queijo. Eu quero um Thousand Island. Talvez eu até ponha um pouco de óleo de pizza do Mulberry Street Pizza nele. Se eu puder comer o que eu quiser todo dia, eu comeria pizza do Domino com pasta carbonara dentro de cada fatia. E a noite eu comeria sorvete napolitano até me sentir absolutamente tóxico. E aí eu divagaria dizendo para mim mesmo, ‘Vai ficar bem, vai ficar tudo bem. Você vai treinar pela manhã.'”

Fonte