Categoria: Sem categoria

Robert Downey Jr. fala sobre a jornada entre pai e filho em “Sr.”, documentário da Netflix sobre seu pai, um cineasta independente

Após estrear nos festivais de cinema em Telluride, AFI e Nova York, o documentário “Sr.” dirigido por Chris Smith, estreou no último dia 2 de dezembro na Netflix. O que começou como um projeto particular de Robert Downey Sr, o diretor de contracultura dos anos 60 de filmes de vanguarda, incluindo Putney Swope e Greaser’s Palace, o documentário que foi gravado durante 3 anos, se torna algo mais pessoal, enquanto apresenta os problemas de saúde do cineasta.

Robert Downey Jr, que rejeitou a oferta do diretor Chris Smith de fazer um documentário sobre sua vida e carreira, se tornou uma figura central na tela, além de produzir ao lado da esposa Susan Downey, com quem tem a produtora Team Downey. Em cena está todo o humor maluco que é retratado nos filmes de Downey Sr. O documentário retrata algo que você não vê com frequência: a franqueza de duas gerações de uma família de origem cinematográfica que foi mastigada pelos fantasmas do passado, mas que conseguiu permanecer intacta. Uma ligação entre os dois, antes de Downey Sr. sucumbir ao Parkinson em julho de 2021 aos 85 anos. Robert Downey Jr descreve ao portal Deadline o que a jornada significou para ele.

Quando assisti ao documentário, confesso que fiquei com um pouco de inveja. Meu pai morreu abruptamente quando abriu a porta no pior momento possível durante o furacão Sandy. Eu pensei: “Que sorte, você viu o que estava por vir e conseguiu criar essa experiência de vínculo com seu pai”. As pessoas vão assistir e entender melhor vocês dois agora, mas isso é algo que você terá para sempre.

Bem, é um jogo de segundos e centímetros, e como você acabou de descrever seu pai partiu deste mundo de uma forma muito imprevisível, então eu acho que se algum de nós puder fazer algo assim, isso ajuda. Funciona para todos nós. Porque tudo é apenas uma espécie de metáfora capturada no final do dia, algum tipo de cumprimento da graça.

Então este filme começou com Chris Smith, diretor de Jim e Andy: The Great Beyond e produtor executivo do grande sucesso Tiger King, pedindo para contar sua história em um filme. Você diz: “Não, vamos fazer um sobre meu pai”. Então, Sr. decide fazer seu próprio corte com seu diretor de fotografia e colega produtor Kevin Ford. E de repente temos um filme dentro do filme, mas também algo mais comovente. Em que ponto você e Chris perceberam que esta era uma oportunidade para um pai e filho chegarem a um acordo e encerrarem seu relacionamento por vezes difícil, já que a saúde de seu pai piorou devido ao Parkinson?

Tudo é um risco calculado, e isso tinha muitos elementos escorregadios – um sendo sua saúde debilitada, o outro sendo seu desinteresse pelo que Chris Smith e eu pensávamos que estávamos fazendo. E seu crescente interesse em recrutar Kevin Ford para aparecer no lado contrário das coisas e de alguma forma abraçar a falta de forma disso, sabendo qual era nossa intenção o tempo todo. Papai veio para Hamptons três vezes ao longo de três anos, e na terceira vez que ele veio, não filmamos muito porque ele realmente não estava…não teria sido respeitoso.

Há alguns trechos em que estou dando sorvete para ele e tudo foi filmado pelo celular da Susan. Basicamente, desde o início, percebi que ele não facilitaria a execução de nosso plano criativo. Acho que, de certa forma, os obstáculos que ele inconscientemente levantou foram – ninguém quer o vídeo de encerramento durante o inverno. Porque, você sabe, quando eles dizem que não acabou até que acabe, ninguém quer reconhecer quando acabou. Eu até disse a ele em vários momentos que precisávamos de um pouco de humor negro: “Pai, o Ato 3 não funciona até você ficar quebrado”, e ele disse: “Ei, não me apresse. Estou trabalhando aqui.”

Seu pai era um observador de coisas simples que muitos poderiam ignorar, como patinhos em um lago perto de seu apartamento em Nova York, e era engraçado vê-lo no modo diretor, constantemente perguntando ao cinegrafista: “Você conseguiu isso? Você conseguiu aquela cena? Você tirou aquela foto?

Devo dizer também que há um certo ponto no processo que percebi apenas ao assistir o produto final com o público. Por alguma razão, não consigo processar isso, assistindo sozinho. Eu preciso ver nessas exibições, eventos e festivais que estamos sempre criando uma narrativa que podemos tentar entender. Mas acho que em algum momento ele teve consciência do tempo de vida dele, e tudo isso tentando resumir sua vida, seus amores, suas perdas e seus muitos, muitos, muitos erros e seu flagrante desrespeito pela segurança, conformidade e sanidade que, apenas por ter sobrevivido, acho que foi uma declaração suficiente. Sendo capaz de falar com ele sobre cada estágio de sua vida, conforme correlacionado com um de seus filmes, consegui entender isso.

# Entrevistas, Sem categoria

Em uma entrevista para Variety, Quentin Tarantino afirmou que os atores da Marvel não são as estrelas da franquia tanto quanto os próprios super-heróis.

Quentin Tarantino é mais um dos cineastas que voltam a criticar o Universo Cinematográfico Marvel por seus filmes de super-heróis, algo que ele chama de “Marvelização” e ainda completa dizendo que parte dos atores só ficaram famosos por causa desses filmes. “Mas eles não são estrelas de cinema. Certo? Capitão América é a estrela. Thor é a estrela. Quero dizer, não sou a primeira pessoa a dizer isso.” […] mas sim os personagens da franquia que se tornam uma estrela, não os atores.”

Em contrapartida, a Deadline entrevistou Robert Downey Jr e mostrou essas declarações de Tarantino. Ele responde:

“Acho que estamos em um tempo e lugar para os quais contribuí involuntariamente, onde a propriedade intelectual tem precedência sobre os princípios e a personalidade”, afirma Robert. “Mas é uma faca de dois gumes. Uma parte dessa propriedade intelectual é tão boa quanto o talento humano que você consegue para representá-lo, e mesmo que você tenha isso, vindo de um autor ou um tesouro nacional de um escritor-diretor, mas se você não tiver o tipo certo de artista desempenhando esse papel, você nunca saberá o quão bom poderia ter sido.”

Em tempo, Robert Downey Jr diz que é uma perda de tempo consumar essas brigas sem sentido.

“Sabe de uma coisa? Vamos superar isso. Somos todos uma comunidade. Há espaço suficiente para todo mundo”, continuou ele. “E graças a Deus por Top Gun: Maverick e Avatar: O Caminho das Águas. Isso é tudo o que tenho a dizer. Precisamos de grandes coisas para abrir espaço para filmes como Armageddon Time.”

Via GQ Magazine

# marvel, Robert Downey Jr., Sem categoria

Em uma recente entrevista para o podcast Smartless comandado por Jason Bateman, Will Arnett e Sean Hayes, Robert falou sobre como está sendo passar mais tempo com a família durante a quarentena.

Com a Covid-19 muitos projetos do mundo do entretenimento precisaram ser paralisados, inclusive o nosso tão esperado Sherlock Holmes 3. Sabemos que o mais recente projeto de Robert Downey Jr foi a minissérie Perry Mason para a HBO, e que fora isso, ele mal sai de casa e agora com a quarentena menos ainda. Em entrevista ao podcast Smartless, Robert conta como está sendo a nova rotina e como é passar mais tempo com a família.

Nos últimos 5 anos, os filmes da Marvel que gravei tinha um elenco maior, então acabava passando mais tempo em casa. A questão é que…Susan Downey, minha esposa, normalmente fica em seu escritório em casa. Então não perdemos o ritmo do nosso trabalho, já que conseguimos fazer bastante coisa on-line. E tem coisas que estão sendo mais produtivas por não termos que encarar o trânsito, por exemplo. Eu gosto de ficar trabalhando o dia inteiro, mas tem sempre aquela hora do dia em que dou uma fugidinha – do trabalho – e vou tirar aquele cochilo depois de ter comido um monte de M&Ms coloridos.

Will Arnett comenta que Robert e as crianças (Exton e Avri) ficaram um tempo na sua casa e que Susan ainda não tinha chegado. Todos os dias, Robert e Will faziam a noite do açúcar, o que durava até as 23hrs, e Robert não entendia o por que das crianças não estarem dormindo. “É óbvio que elas não vão dormir, você deixou elas comerem doce até tarde da noite”, finaliza Will. Robert disse que é tolerante demais com essas coisas e que está tentando melhorar.

Quando Jason Bateman pergunta ao Robert o por quê da Susan gritar com ele, ele responde:

Quando eu dou pasta de amendoim pra eles, ou quando dou pretzel depois que já comeram um snack, ou quando Exie (apelido que deu ao Exton) pede uma segunda tigela de sorvete e eu falo sim.

Com isso podemos concluir que Robert Downey Jr é um pai totalmente babão, que não gosta de regras e leva bronca da esposa!

# Entrevistas, Sem categoria