Robert, Chris Evans e Kevin Feige recentemente conversaram com o IGN durante a press mundial de Os Vingadores: Era de Ultron e nos deixaram mais alguns detalhes sobre o filme. Enquanto Captas quer transparência, a ideologia de Tony gira em torno de controle. Mas essas não são os únicos motivos por trás de sua rivalidade.

Para nosso gênio, bilionário, playboy e filantropo, pode simplesmente ser algum tipo de rivalidade entre irmãos, ou até então uma certa inveja. Aqui está o que Downey disse:

“Em resumo, é isso. Mas Stark também cresceu por trás das sombras dessa relação muito próxima de pai e filho que Howard Stark teve com Steve Rogers, então eu tenho certeza que isso é movido por alguns motivos inconscientes. Ao mesmo tempo, eles fazem parte de duas gerações vastamente diferentes em relação à psicologia moral. E indiscutivelmente, o Capitão é mais honesto. Eu acredito que Tony seja um realista, então essa é sempre uma dinâmica legal de se participar.”

 

Chris Evans então falou sobre como as ideologias de Tony e Steve vão funcionar. Eu realmente gosto quando Evans diz que vai haver uma revira-volta de opiniões.

“É por isso que eu acho que o próximo filme – Guerra Civil – vai ser tão efetivo. Porque há uma mudança no jeito com que abordamos as coisas. Tony sempre foi um tipo de pavimentador. Ele sempre foi seu próprio foco e ele impõe autoridade. Ele dança conforme o ritmo de sua própria batida. O Capitão vem de um mundo de ordem, organização, hierarquia e estrutura. E eu acho que em Capitão América 2, quando a SHIELD meio que desabou, foi que Steve percebeu que você não pode confiar tanto nas pessoas ao seu redor – não pode confiar no sistema. Eu acho que agora ele está meio que começando a seguir seu coração, e fazer suas próprias vontades, e como resultado, há essa revira-volta em perspectiva.”

O chefão da Marvel então discutiu sobre as sementes de dissidência que serão firmemente plantadas em Era de Ultron e que serão semeadas em Capitão América: Guerra Civil:

“Há um grande momento no fim desse filme [Era de Ultron] que não vamos dar spoilers, mas que envolve a noção de quando eles percebem que o único jeito de conseguir superar isso é se reunindo. E eu adoro isso. É um dos meus momentos favoritos no filme. E eu realmente acho que se não fosse pelo Tony, nada disso teria acontecido. E se não fosse por Tony, talvez o dia não fosse salvo. Suas intenções eram boas, e eu acho que nós levamos isso através dos filmes que estão por vir de um jeito que faz com que pareça bastante equilibrado em termos de quem você possa concordar em argumentos futuros.

“Eu mostrei a cena dos dois cortando lenha durante nosso anunciamento,” lembrou Kevin Feigue. “É uma de minhas cenas favoritas – porque eu acho que aquilo realmente representa a corrente de divergências entre os dois. Então muito trabalho de base está sendo plantado aqui.”

 

 

Fonte