Downey Jr. e Duvall conversaram com o o Sydney Morning Herald em época de Festival de Toronto e deram alguns detalhes sobre como se conheceram, além de mostrarem o quão são competitivos. Confira:

Robert Downey Jr. adora fazer piadas e brincar nas entrevistas como se ele não levasse nada disso a serio, mas nesse dia, no Festival de Cinema de Toronto, ele está com o único homem que não vai deixá-lo sair ganhando – Robert Duvall, seu companheiro em O Juiz.

“Estávamos andando no corredor hoje cedo,” Downey diz. “e ele me disse que ia fazer uma entrevista especial pro Mavericks, que era um grande negócio e eu brinquei, ‘Eles não me chamaram para fazer então não acho que eles queiram um ícone’. Então ele parou, olhou pra mim e disse, ‘Pare com essa porcaria de ‘ícone’. Eu só falei, ‘Ok, eu vou parar com a porcaria do ícone'” por que, definitivamente, você não quer estar em sua lista negra.

Assistir O Juiz, o primeiro filme da produtora Team Downey, é como assistir uma partida entre dois tenistas no auge de seus jogos. Downey interpreta Hank Palmer, um advogado egocêntrico da cidade grande que volta para sua cidade natal, onde sue pai (Duvall), o juiz da cidade, é acusado de assassinato. O juiz é duro com seu filho pródigo, mas também comovente em uma cena quando ele é obrigado a permitir que seu filho o ajude no banheiro depois que um problema de saúde o deixa incapacitado.

“Os melhores momentos para mim foram quando eu estava em suas boas graças,” disse Downey, 49. “Muito mais do que meu próprio pai ou qualquer outro juiz do qual eu já encarei” – e vários entraram no caminho de Downey ao longo dos anos – “você tem aquela profunda e contínua relação de respeito por ele que faz você não querer pisar em falso.”

Semanas depois, os atores estão sentados lado a lado para uma conversa em um hotel à beira-mar em Los Angeles. Duvall está sentado perfeitamente, enquanto Robert simplesmente lança suas pernas por cima dos braços de sua poltrona, agitando os tênis de cano alto e suas meias coloridas quase como uma criança petulante. Perto dali, a mulher visivelmente grávida de Robert Downey Jr. dá outra entrevista.

“Ela nunca deixa de me surpreender, a quantidade de paciência que ela tem em relação às pessoas complicadas..”, diz ele, supostamente aludindo em parte a si mesmo. “Ela é do Centro-Oeste [EUA] , e assim, sem generalizar demais, eu acho que isso se liga a algo que acontece com as pessoas que são naturalmente criadas em um ambiente onde ter uma psicologia moral é importante, e eu fico realmente feliz que isso tenha passado para mim.”

O casal tem um filho de 2 anos, Exton, e descobriram que em novembro terão uma garotinha! “Se ela for qualquer coisa como a mãe dela, uau!”

[…] Depois de ficar sóbrio, em 2003, Robert compensou o tempo perdido com duas franquias de sucesso – Homem de Ferro e Sherlock Holmes – totalizando três filmes, que o deixaram com o patamar de ator mais bem pago hoje.

“Eu acho que Harrison Ford disse que dinheiro é importante até que você o tenha, e minha opinião é que você não deveria se agarrar a essas coisas,” diz ele, menosprezando seu sucesso. “Hoje eu vou de um hotel 5 estrelas para outro sendo que 15 ou 20 anos atrás eu nem sabia que hotéis tinham suítes, eu achei que todos eles tinham o tamanho de uma mesa e tinham vista para o beco ou para a saída de emergência.”

Downey pode até ser o chefe de seu novo filme, mas ele sabe que a maior estrela é Robert Duvall, ator que rouba a cena em todos os filmes que faz, desde O Poderoso Chefão e Apocalypse Now até seu premiado papel pelo Oscar em A Força do Carinho e O Apóstolo, do qual dirigiu, produziu e também escreveu. Downey apenas ouve Duvall quando o mesmo relembra uma história de quando não reconheceu o ator mais novo quando ele foi lhe dizer um ‘oi’ em um restaurante.

“Depois de ele ter deixado a mesa, minha mulher disse ‘Você não sabe quem era aquele? Era Robert Downey!’ Duvall conta um pouco orgulhoso demais. “E eu fiquei ‘Ah, meu Deus, me desculpe!’ Então depois eu o mandei uma mensagem quando o vi em algo que gostei bastante.”

Downey assente, olha Duvall e diz. “Não sei se já te disse isso” e revela que a dupla esteve junta em Até Que a Morte Nos Separe. “Você estava interpretando um personagem que era todo banana e eu sentava do seu lado na sala de maquiagem e você estava se preparando para entrar nesse personagem que era meio selvagem e vivia nas florestas e eu tinha medo que você fosse realmente como ele, mas acabou que você só estava entrando no personagem,” ele diz.

“Sim.” Duvall assente bruscamente e adiciona depois de uma pausa. “Mas nós nunca nos conhecemos realmente, certo?”

Se Duvall se importa tanto sobre o zumbido da temporada de premiação ao redor de O Juiz como Downey – que precisa desse tapinha nas costas para voltar a provar que é mais do que um super-herói de histórias em quadrinhos – ele não está dizendo.

“Sempre existem aquelas pessoas em nosso redor que botam defeito em alguma coisa.” diz Duvall. “Quando fizemos O Poderoso Chefão, tivemos uma festa de abertura e eu jamais vou me esquecer desse diretor bem conhecido que estava fumando um cigarro – e eu não vou citar nomes – mas ele disse para mim ‘Você, Marlon [Brando], Jimmy [Caan] e Al [Pacino] fizeram um ótimo trabalho, mas em relação ao filme, eu não sei’. E, em três vidas, ele nunca fez um filme tão bom quanto esse.”

O Juiz é uma montanha-russa de emoções, que explora a relação disfuncional entre pai e filho, e ambos os atores admitem que tiveram suas próprias lutas paternais.

“Meu pai era militar então sempre houve uma distância,” diz Duvall. “Mas eu me lembro de uma vez quando éramos realmente próximos e estávamos caçando esquilos e aves, então minha mãe os cozinhava e nós comeríamos juntos. Foi uma tarde agradável com meu pai atirando espingardas.”

“Meu pai era um artista brilhante então as pessoas estavam sempre me dizendo ‘Oh, seu pai é incrível!'” Downey lembra de seu pai, o cineasta Robert Downey Sr. “Quando eu comecei a perceber que eu queria fazer isso [atuar] como meu ganha-pão, eu senti como se meu pai fosse ‘o juiz’, porque ele comandava tudo, ele está na bancada e todos nós éramos apenas suspeitos. Eu tenho um ótimo relacionamento com ele agora mas qualquer pai de personalidade forte impõe barreiras, afinal você está protestando contra o que você não quer ser mas acaba sendo isso de qualquer maneira, porque você não conseguiu resolver todas as suas coisas.”

Duvall acena em aprovação a confissão e Downey sorri

Fonte