Ontem (03/12/2015), o Robert deu uma entrevista para a revista Entertainment Weekly, falando um pouco sobre o seu papel em Capitão América: Guerra Civil.

Tony Stark tem um olho roxo. Ele está sentado em um sofá de couro em um centro internacional de força-tarefa de inteligência com sangue em sua camisa de seda e gravata. Sério, isso é um cenário de Capitão América: Guerra Civil em um lote de estúdio na área externa em Atlanta, e Robert Downey Jr. está sentindo um tipo diferente de lutador. Ele não pode dizer quem foi que bateu nele, mas não foi o Capitão América.

“Não, eu quero dizer, olhe, se ele e eu vamos bater um no outro sem sentido, isso deveria ter tipo um Ato III,” Robert diz. “Ainda não escrevemos o Ato III? Não?” Ele fala para alguém da equipe que esteja passando por ali, mas na verdade não conseguiram ouvi-lo. Downey sorri. “Essa é a única maneira que podemos ficar à frente de ‘supor algo’, na verdade, não escrevê-lo até que nós estejamos lá.”

Há um Ato III, não se preocupe. É apenas o Downey sendo o Downey. Nesse 13º filme, do Universo Cinematográfico Marvel, no qual o Robert ajudou a inaugurar com Homem de Ferro em 2008, seus herói confronta o Capitão América em um conflito sobre os super-heróis serem controlados pelos governos do mundo. Homem de Ferro é à favor da ideia, mas o Capitão é contra ela.

O Homem de Ferro não é necessariamente o “cara mau”, mas ele é definitivamente o antagonista. “Isso não me incomoda de jeito nenhum, ” diz Downey. “Eu sempre pensei nisso de algumas maneiras em que Tony é o antagonista para si mesmo em sua própria história, então isso não é um problema. Esse cara entende de problemas, porque ele é um problema. E ele tende a causar problemas.”

Também acontece dele achar que o Stark não está errado. “Eu não estou dizendo que eu tenho que tagarelar em torno do que eu acho que a visão de mundo é,” Diz Robert. “Eu concordo plenamente com o que ele faz neste filme.” Ele acrescenta com um sorriso. “O que é, aliás, mais do que eu poderia dizer para alguns dos outros filmes.”

Stark era uma vez o incendiário anti-autoritário, mas tendo desencadeado Ultron sobre o mundo, entre outras indiscrições mais veniais, o bilionário, playboy, filantropo está começando a apreciar limites.