Eu chego na sede de quatro andares de Robert Downey Jr. em Venice, Califórnia. Eu usei a palavra “sede” por várias razões. Primeiro, existe um senso de que a Team Downey, sua companhia de produção, está tentando mudar o mundo, ou pelo menos Hollywood. Segundo, é espetacular demais para ser chamado de escritório.

Downey está usando uma camiseta e calção. Ele acabou de sair da academia. É uma mistura de calmo e ousado. Ele me diz que o edifício pertencia a um fotógrafo britânico, e enquanto fizemos nosso caminho pelos quatro andares, passando por vários setores e membros de sua equipe, ele me mostra a sala de jogos de seu filho Exton, que costumava ser “a suíte de playboys onde o fotógrafo levava todos os seus modelos e, em seguida, eles iriam tomar banho no chuveiro de vidro opaco.”

No andar de cima costumava ficar uma piscina, mas agora é um deck com travesseiros e camas para o dia, uma cozinha e uma sala de jantar, onde o chef de Downey, Charles, nos faz lanches maravilhosos, tão saudáveis quanto requintados – abacate, algas, tomates raros. “Você gostou do filme?” Downey pergunta, com um pequeno traço de nervosismo. Eu gostei. Eu ri. Eu chorei. Eu amei a química entre Robert Downey e Robert Duvall.

O Juiz é o primeiro filme produzido pela Team Downey. (Downey estrela e sua mulher, Susan, que está grávida de oito meses, está no leme da produção.) Um contraste radical em relação a Homem de Ferro e Os Vingadores, é que tem Downey – dito como o ator mais rentável no mundo, supostamente arrecadando $50 milhões e $75 milhões por filme – retornando ao estilo de atuação que ele adotou quando ele começou a atuar off-Broadway. É conduzido por diálogo, uma história sobre chegar a um acordo com sua própria vida através de confrontos com seu pai. Downey interpreta um advogado ambicioso, um aproveitador e um manipulador mestre da lei, enquanto Duvall é seu pai, o homônimo juiz; íntegro, duro, porém justo, e o homem com quem Downey tem uma impenetrável rixa.

É um roteiro poderoso e emotivo. O que o levou a isso? “Eu queria fazer para que não precisássemos pensar em fazer nenhum outro filme, além desse. Eu era o único elemento fixo no elenco.” Ele faz uma pausa, brincando com uma galinha de porcelana. “Esses dias eu ouço coisas como ‘Vamos fazer um teste para ver a química entre tal, tal e tal.’”

Ele já fez um teste de química alguma vez? “Eu acho que eles não chamavam disso naquela época.” É verdade que ele teve que fazer testes para Homem de Ferro e que sua própria história de vida lê-se como uma transformação de super-herói. Downey era brilhante, porém problemático, autodestrutivo. Várias acusações envolvendo drogas o levaram para os jornais, até um período na cadeia, e, em 1999, um tempo na Clínica de Abuso de Substâncias da Califórnia.

Ele voltou em 2003 com uma performance brilhante em The Singing Detective, um filme do qual ele poderia não ter estrelado, se não fosse a intervenção de seu amigo Mel Gibson. Depois de um número de filmes bem recebidos, incluindo Santos e Demônios e O Homem Duplo, ele retornou para o tradicionalismo, com Beijos e Tiros. Mas Homem de Ferro, claro, foi a grande revira-volta, a fanfarra, todos cantando e dançando. O Downey que todo mundo amava.

“Um teste de química é algo para tentar achar o que Gwyneth Paltrow e eu temos em Homem de Ferro,” ele disse. “É algo onde você tem que pensar que esse filme vai funcionar por causa de vocês dois.

“Eu vi Duvall em um filme chamado Segredos de um Funeral e eu pensei, ‘Uau! Eu quero ter a oportunidade de fazer um filme por uma hora e meia e então ter um monólogo de cinco minutos no final que é realmente o ponto alto do filme.’ Ele é uma caixa de força.”

De fato, já existe uma conversa de que Duvall pode ser nomeado ao Oscar por O Juiz. É um filme que vai manter uma ressonância profundamente emocional para muitas pessoas, especialmente para aquelas que têm uma relação difícil com seus pais. Eu me pergunto se Downey teve inspiração no seu relacionamento com seu pai, Downey Sr, um cineasta independente que, quando estavam crescendo na Costa Leste, frequentemente incluiu Downey Jr em seus trabalhos. Ele teve sua atuação de estreia com cinco anos de idade, interpretando um filhote de cachorro doente na comédia absurda Pound (1970). E então, com 7, ele apareceu em Greaser’s Palace. Sua mãe, Elsie Ford, uma vez portou dezessete personagens diferentes no filme Two Tons of Tourquoise to Taos Tonight (1975).

Eu lembro de que ele me falou que uma vez quando ele era jovem e quebrado e precisava de $2, seu pai não daria para ele. Ele disse que na hora ele respeitou isso e que isso fez com que ele se tornasse o que é hoje. Isso me chocou.

“Eu fico feliz por me sentir tão caro naquela época,” ele diz. Há uma pausa e uma sobrancelha se levanta. “Meu pai estava tentando impor uma linha de pensamento; que não existem apostilas para te ajudarem. Acho que há elementos em qualquer pai que são semelhantes e outros não. Duvall não tem filhos, isso não é interessante?”

O ponto de início de O Juiz é quando Hank retorna para sua cidade natal para o enterro de sua mãe. “Por causa do que aconteceu recentemente, é um filme bem no estilo ‘a vida imita a arte’”. Ele diz.

A mãe de Downey faleceu apenas três dias antes de nossa entrevista. Ele me mostra sua mesa, que está posicionada opostamente à de sua mulher. Susan está cheia de trabalho no processo. Na mesa dele tem uma foto em preto e branco de sua mãe em um vestido dos anos 50. Seus olhos escuros brilham para fora da moldura da foto. Seus olhos são os olhos dela. Ele admite que era muito parecido com ela.

Compreensivamente, ele não quer falar sobre ela. “Isso que se chama de um marco.” Mais tarde, ele escreveu tudo isso em um tributo tocante no Facebook, relembrando como ela deixou a universidade e se mudou para Nova York com os sonhos de se tornar uma comediante. Ela conheceu e se casou com Downey Sr, teve dois filhos e trabalhou nos filmes de seu marido. O casamento desmoronou. Sua carreira de atriz sofreu por conta de seus problemas com o alcoolismo. Downey Jr viveu com ela e seu namorado, Jonas Kerr, que se tornou um segundo pai para Robert em um prédio de cinco andares, num apartamento de dois quartos em Manhattan. Ela finalmente alcançou a sobriedade em 1990.

“Quando eu me esforcei para ter o tipo de sucesso que lhe fugia, o meu próprio vício o proibiu repetidamente,” ele escreveu. “No verão de 2004, eu estava em maus bocados. Ela me ligou do nada e eu admiti tudo. Eu não lembro o que ela me disse, mas eu não bebi nem usei desde então.

“Minha ambição, tenacidade, lealdade, humores, grandiosidade, agressão passiva ocasional e minha fé, tudo isso é dela.” Ele terminou sua homenagem falando, “Se alguém aí tem uma mãe e ela não é perfeita, por favor, ligue para ela e diga que a ama de qualquer maneira.”

E a morte me leva à vida. Ele já tem um nome para sua garotinha? “Não. Com Exton foi realmente fácil. Eu perguntei para Susan, ‘você tem algum tio excêntrico?’ e ela disse ‘Jay Exton Turner’. E nós procuramos por Exton e era uma cidade onde um bocado de ruas se cruzam,” ele disse.

E o seu primeiro filho, Indio, agora com 21 anos? Ele foi recentemente acusado por posse de drogas. Ele está bem? “Eu suspeito que sim. Ele está em tratamento. Ele vai estar em casa logo. Eu e ele somos extremamente próximos. Ele é um músico, está montando uma nova banda.”

O Juiz faz muitas perguntas sobre o relacionamento pai-e-filho. Downey Sr talvez não tenha dado à Downey Jr rédeas curtas. Foi muitas vezes atestado de que ele fora quem introduziu Downey Jr a fumar cannabis quando ele era uma criança e, em geral, encorajou uma existência boêmia.

“Sim, talvez muita rédea solta. Nos últimos anos, pessoas que tem a mesma contracultura reveladora que eu tive, [me disseram] que eles se rebelaram contra isso se tornando ruas. Eles se rebelaram se tornando materialmente bem sucedidos de uma forma muito clara.”

É difícil imaginar Downey, que, uma vez parecia o tipo de garoto propaganda para rebelião, sonhando em se tornar uma rua. Ele é, afinal, um homem de extremos, complexo mas ao mesmo tempo compreensível. Ele tem 49 anos agora, aproveitando um casamento construindo em fundações fortes e cuidadosas. “Eu não acho que eu procuro por isso intencionalmente, porque eu não achava que teria uma chance. Eu achei que merecia, mas que provavelmente não iria acontecer. Mas dia a dia minha perspectiva mudou. É interessante quando você é velho o suficiente para algo novo, se aproximar objetivamente de seus pais, os moldando de uma forma onde você está, na verdade, se tirando da equação e apenas se importando com as coisas que são verdade sobre a vida deles,” ele diz.

O Juiz abriu algumas portas no psicológico? “Talvez,” ele disse. “Quando eu estava em Nova York, eu iria ao cinema com ele e o filme começaria e meu pai ficaria tipo ‘Vamos lá, isso aqui é besteira.’ Eu  pulei mais do que assisti filmes, porque meu pai iria considerar que o que eles fizeram ele já tinha visto e não era bom. Então eu assumi que se meu pai dissesse, ele seria o cara que julga, porque meu pai é um cara dos filmes. As pessoas dizem que os filmes dele são revolucionários.”

Richard Attenborough também foi uma figura paterna para ele e sua morte recente foi uma grande perda. Ele fala sobre seu último encontro. “Eu fui vê-lo e Sheila, sua mulher. Eu estava um pouco apreensivo, então eu levei Guy Ritchie comigo. Eu senti como se tivesse que fazer algo, algum desfecho. Eles estavam em um asilo. Quando [a casa de Attenborough] Beauvoir Lodge acabou sendo vendido, eu senti que não tinha idéia do que o futuro traria. Eu nunca pensei que haveria um tempo em que Lorde e Lady não estariam no Lodge.

“Quando eu estava filmando a sequência de Os Vingadores, eu ficava em Richmond, então eu poderia dar uma passada. Se fôssemos convidados para ir ao Beauvoir Lodge, a) significava que nos divertiríamos muito e b) nós veríamos sua coleção de arte. E lá haveria sempre muitas pessoas interessantes. Eu não sabia que minha última vez seria minha última vez. Eu achei que voltaria outra vez. Mas você nunca sabe quando será sua última vez, sabe? Ele era o melhor.”

Attenborough dirigiu Robert em sua primeira performance nomeada ao Oscar, em Chaplin. Ele era um diretor estimulante? Robert imita a voz de Attenborough. “Querido… Quando o assunto é quem está no comando ou quem tem autoridade, ele me botaria por entre meus passos. Mas menos do que qualquer um que eu já tinha conhecido, ele não tinha nenhum julgamento dos meus gritantes defeitos de caráter.” (Downey frequentemente se autodeprecia.)

“Mas houve um minuto durante Chaplin antes que começássemos a gravar onde eu achei que ele devia me deixar reescrever o roteiro. E eu disse a ele ‘Você deveria dar uma olhada porque eu reescrevi o roteiro com alguém que você não conhece,’ e ele ficou muito puto.”

Porque ele resolveu reescrever o roteiro? “Nós estamos falando do ponto de vista de um garoto assustado de 26 anos que iria fazer uma coisa que estava a ponto de defini-lo de uma maneira ou de outra. Não há nada mais divertido do que um ator que não começou a gravar. De qualquer forma, Lorde Attenborough ficou muito irritado com isso e desde o primeiro dia de filmagem ele me trabalhou como uma costela. Eu percebi que iria aonde ele dissesse, faria o que ele dissesse. O trabalho duro foi divertido. Eu realmente gosto de harmonia. Eu não preciso entrar em confusões com as pessoas. Foi só aquela vez, e então ele voltou a ser um doce pela coisa toda.

“Em seguida vou desenvolver uma versão bem absurda e sensitiva de Pinóquio que eu estou louco pra fazer. É um live action e eu posso fazer ambos Gepeto e Pinóquio. Eu gosto de filmes convencionais que são completamente diferentes.”

Eu imagino se é assim que Downey se vê; ao mesmo tempo convencional e diferente. Parece se encaixar. Homem de Ferro arrecadou mais de $2 milhões foi certamente um convencional, mas ele embutiu o personagem de Tony Stark com um fardo incomum de talento, vivacidade e vulnerabilidade.

Nessas recentes semanas, Downey tem sido um pouco escorregadio quando perguntado sobre o futuro solo de Homem de Ferro. Primeiro ele falou a um repórter que ele só faria Homem de Ferro 4 se Mel Gibson dirigisse; depois ele explicou que foi uma brincadeira. Então, ele falou para Ellen DeGeneres que ele estava “no meio de uma negociação” sobre o filme, recuando ligeiramente quando foi ao David Letterman, no dia seguinte. “Não existem planos para Homem de Ferro 4,” ele disse. “Não há um roteiro para Homem de Ferro 4, mas eles tem um plano e eu acho que eles vão anunciá-lo.” Tudo isso levou a uma especulação que de fato haverá um Homem de Ferro 4, mas com um ator diferente dentro do traje.

Ele é similarmente enigmático quando eu o fiz a pergunta. A Marvel tem planos para Homem de Ferro 4? “Não que eu saiba.” Será esse o fim de Homem de Ferro? “Não que eu saiba.” Ele só vai aparecer em outros filmes d’Os Vingadores? “Os Vingadores foi outra oportunidade, mas eles não estão falando sobre HF4. Eu queria muito dizer a verdade, mas talvez eles tenham um peixe maior para fritar e eu confio na visão geral deles. A coisa engraçada sobre esse gênero de filmes é que você pensa que eles são segredos nacionais.”

Os Vingadores em 2012 foi um dos filmes que mais arrecadou na história, com 1,52 bilhões de dólares, e enquanto Downey estava certamente pronto para retornar aos personagens mais tradicionais, eu tenho certeza de que ele é muito protetor em relação ao Tony Stark.

Frequentemente ele se refere à semana que ele fez os testes para Homem de Ferro como a semana que mudou sua vida.

Ele fica com inveja quando saem outros filmes de super-heróis, outro Homem Aranha, Batman? “Honestamente, o conjunto da obra é simplesmente sobre mostrar os sinais iniciais de escorregar por entre as bordas. É um pouco antigo. Verão passado tinham cinco ou sete diferentes. Eu sinto que eles são criticados por uma métrica diferente de qualquer outro filme.”

Certamente essa métrica é a de bilheteria? “Certo. Mas também eles são mais perdoados por operar em frequências diferentes. É como um bocado de ótimos dançarinos e você olha para aqueles que ficam trocando suas polainas. Eles fazem muito dinheiro.”

Homem de Ferro também o rendeu bastante dinheiro. “Sim, eu me dei muito bem.” É muito dinheiro, isso é real para ele? “É engraçado o quão rápido você consegue se acostumar com mudanças radicais. Também, se você nasceu com uma mentalidade pobre, nada vai mudar isso. Eu conheço alguns bilionários mesquinhos. Eu venho de uma geração de mãos na brasa.

É difícil se ajustar? “Correto. Mas a coisa legal é que se você tem dez potes de sorvete no freezer e é noite você vai pensar ‘Não estou muito afim de sorvete agora.’ Se você não tem nem um, você tem desejo de sorvete. Se você tiver muito sorvete, você não vai comê-lo e vai achar que nunca mais vai comer. É o tipo de fome psíquica, sabe?

Ele se preocupa que o dinheiro possa ter um impacto negativo nos seus filhos? Ele se identifica com Sting, que recentemente falou que não vai deixar seu dinheiro para seus filhos? “Qualquer coisa que o Sting diz, eu concordo.” Ele diz.

Eu não tenho a impressão de que Downey seja materialista. Eu acho que ele sempre quis fazer o melhor trabalho possível. “Eu quero fazer um filme que seja comercial mas que o estúdio não vá perder dinheiro, mas eu quero fazer algo que pareça um desfecho.”

Downey diz que ele está conversando sobre Sherlock Holmes 3 e como ele espera poder voltar a Londres. Ele faz uma imitação muito engraçada de Guy Ritchie. E ele fala de Jude Law, com uma grande afeição. “Não tem ninguém com quem eu preferiria gravar coreografias de lutas ou passar um tempo juntos. Ele é meio que minha esposa de atuação. Totalmente confiável, técnica e intelectualmente falando.” Ele diz.

E a sua verdadeira mulher? Como que a Team Downey é, realmente? “Ela é uma ótima mãe e eu realmente aprecio estar por baixo de suas asas enquanto estamos trabalhando. Eu apareço com pessoas um pouco complicadas e ela os classifica. Ela sempre sabe o caminho mais viável e o que as pessoas têm a oferecer, quem vai se dar com quem. Ninguém se sente como se não fosse convidado. É tão saudável emocionalmente. Eu nunca conheci ninguém que pode ser tão conciso e seco sobre as coisas, ainda assim dizer coisas de um jeito que não machuca os sentimentos de outras pessoas.”

Downey diz que ele está animado em levar as coisas a passos largos – menos projetos e mais tempo em família, especialmente com sua filha prestes a chegar.

Existe algo com que ele ama gastar dinheiro e qualquer coisa que ele odeie? “Eu adoro gastar dinheiro em presentes. Eu odeio gastar dinheiro em sistema de fossas na minha casa. Eles levam os dutos embora e aí a casa fede mais do que antes, quando você não tinha gastado dinheiro com isso. Eu odeio jogar dinheiro fora.”

Fonte