Confira a terceira parte da entrevista do Robert para a GQ Style:

GQ: Tem alguma obra de arte que seja especial pra você?

Robert: Tem um desenho da minha avó, que era modelo da Vogue, e ficou parada na coleção de revistas do seu falecido marido, e então eu consegui a edição em um leilão.

GQ: Você quis ir ao leilão sabendo que a revista estava com o ex-marido dela?

Robert: Não, eu mandei alguém que gosta de ir em leilões.

GQ: No que você mais gasta dinheiro sem se preocupar? Uma coisa…boba?

Robert: Sulfato de magnésio e Bicarbonato de Sódio. Eu recomendo isso pra todos. Se você está viajando e está cansado, fadigado, se está treinando num nível alto, se está estressado, tome um banho. Coloque quatro medidas de Epsom Salts (Sulfato de magnésio), que equivale a uma caixa de leite, e quatro medidas de Baking Soda (Bicarbonato de sódio). Coloque isso na banheira e fique nela por uns 15 minutos.

GQ: E o que acontece?

Robert: Ele filtra [banho detox] …Bem, você sabe para que serve o bicarbonato de sódio. Bicarbonato de sódio é realmente bom com toda a radiação de baixo nível e frequências. É muito bom fazer isso depois que você chega em casa de uma viagem de avião. Mas ás vezes, quando eles [faz um gesto com as mãos abrangendo todos da Team Downey] chegam no fim do mês, eles dizem, “Você gostaria de saber o que acontece depois que você toma um banho com essas coisas?” Eu respondo que não. Mas podemos comprar a granel? Eu sempre ofereço uma solução.

GQ: Qual é o seu hotel favorito?

Robert: Acho que o Hassler, em Roma. Principalmente na parte em que se tem a vista dos degraus espanhóis [Confira a imagem]. É incrível. Você conhece o The Carlyle, em Nova York? É difícil vencer esse cara. Tem também o Claridge’s, em Londres. Quero dizer, alguns desses lugares, não vive só de serviço de quarto e equipe bem treinada. Tem alguma coisa a ver com a localização, e a arquitetura que não deve ser nem intencionada. É só a sensação que você tem quando vai num lugar desses.

GQ: Existe alguma coisa legal sobre a sobriedade?

Robert: Não tem nada de ‘chato’ na sobriedade, essa é a questão. Eu acho que a maior pergunta é: É a vida em termos da vida, tudo bem pra você? [Traça o contorno de uma mesa oval entre nós]. Essa é uma mesa legal por que não tem beira. No planeta em que vivemos existe a implicação de que é um circulo,  mas na verdade, é cercado de diversos ângulos que podemos percorrer. E a vida não é como uma mesa redonda. A vida tem beiras. Qualquer coisa que alguém poderia fazer para se distrair da realidade…sobriedade é uma palavra estúpida para isso. É realidade. Ou melhor, ter uma avaliação realista das suas limitações. Mas será que existe uma desvantagem em saber quais são as suas limitações? Sim. Por que em certos momentos, você consegue identificar o que e por que não consegue seguir adiante. Mas na verdade, o que acontece é apenas um relato honesto de suas probabilidades estatísticas. Isso não significa que você não deve praticar ski em uma montanha. Na verdade, significa que você deve. Mas você provavelmente não irá.

GQ: Vício mais persistente?

Robert:Nicorette [gomas de mascar que ajudam a parar de fumar]. O problema é que, as vezes, as pessoas vão te dar a impressão de que, se eu estou mais estressado , eu preciso de mais um. Então, minha esposa diz “Por Deus, ele está me dando nos nervos. Aqui, você precisa de um desses? E eu digo [fazendo barulho e ruídos] Eu tive o grande prazer de sentar ao lado de Dick Van Dyke em um evento há cinco anos e ele tirou do terno um pacote de Nicorette. Eu já estava mascando um desses fazia três meses ou mais. E eu disse: “Há quanto tempo você…?” Ele diz “Vinte anos” E eu fiquei UAU, ele está ótimo, e com um ótimo humor!

GQ: Quem é seu melhor amigo (a)?

Robert: Minha esposa. Ela tem que ser. Não tenho dúvidas, um ser humano muito leal.

GQ: Vocês fazem terapia?

Robert: Existem duas crianças para terapia [se referindo ao Exton e a Avri]. Terapia de crise e terapia de manutenção. Existem dois tipos de relacionamentos. O relacionamento que começa – mantem – terapia de casais e relações que não têm nada a ver com isso e acabam na terapia de casais. É como o serviço de limpeza. Você entende o que eu quero dizer? E é muito melhor ter o serviço de limpeza fixo, apenas mudando os lençóis duas vezes por semana. Então eu acho que tudo, o essencial para manter isso tudo em ordem, é a conversa. E depois há momento em que Susan diz: “Eu estou bem. Você precisa falar com ele sobre isso, isso e isso.” E eu vou dizer “Ok, sim, isso é bom e isso também”

GQ: O que você está lendo agora?

Robert:Getting Things Done por David Allen. Leia. Eu também estive sob a tutela de um cara chamado Wayne Pepper que é um dos peritos praticantes em ‘ajeitar as coisas’.

GQ: O melhor show em que você já foi?

Robert: Steely Dan no The Beacon, NY. Eles tocaram o álbum Aja inteiro. Eu estava visivelmente chorando para minha esposa surpreso e divertido. Ela falava: “O que é isso? a letra do Deacon Blues é tão importante pra você?” Eu estava: “[soluçando] Você não entende”