Existem outras descrições piores para um ator estereotipado do que “super-herói engraçadinho.”

Mas se você for Robert Downey Jr. descrições coloridas são o tipo de coisa que você negocia, isso pode começar a parecer um pouco limitante.
A roda gira rapidamente em Hollywood. O que, seis anos atrás, era apenas conversa de “Será que Downey consegue erguer um super-herói?” virou lentamente “Até quando Downey ainda vai levar essa coisa de super-herói?” Quatro vezes como Homem de Ferro (com um quinto holofote, Os Vingadores: Era de Ultron, chegando em maio) e alguns personagens semelhantes com super-heróis, como Sherlock Holmes, e isso pode começar a acontecer.

Então um ator que sofre uma metamorfose de garoto prodígio, para um conto carcerário, para uma história de volta por cima até (em algumas mentes) um clichê, tudo aparente diante de nossos olhos, buscando uma nova fase, algo menos descritível, mas isso não significa que Downey não vai tentar.


“O primeiro Homem de Ferro foi coração, coração e coração,” ele disse. “Agora a persona de Tony Stark está destruindo a si mesma. Não é muito longe de mim, mas eu percebo que estou na roda.”

O ator tem um plano ‘não-chame-isso-de-plano’, uma ideia para uma atuação futura, uma em que ele quer combinar o frescor e a intimidade de seu capítulo inicial com a influência e potencial bancário do seu mais recente trabalho.

O primeiro passo nesse processo é O Juiz, já nos cinemas. O primeiro filme a sair da Team Downey – ambos um estado de espírito e, como produtora fundada com sua mulher Susan há 4 anos atrás, uma pessoa jurídica – O Juiz é um drama legal retroscedor e um melodrama familiar que tenta dar oportunidade às duas maneiras, de um jeito bom.

É dirigido por um diretor de comédia de Hollywood e tem um grande gancho no estilo de John Grisham – mas é também, da maneira de um drama fidedigno, impulsionado por um laço feudal de pai e filho, juntamente de uma trilha sonora emo-melancólica e cheio de momentos intensos com Robert Duvall.

Quando Hank retorna a sua cidade natal, Indiana, para o funeral de sua mãe, ele se encontra em uma dança complicada com seu pai distante, o juiz titular, que foi acusado de assassinato e que em algum momento contrata Hank para defendê-lo. O Juiz não suaviza inteiramente os instintos gregários de Downey como Tony Stark (seu “vocabulário hiper-verbal nojento,” como seu interesse amoroso, interpretado por Vera Farmiga diz do personagem no filme). Mas ele também não o usa como uma muleta.

Susan Downey descreveu a experiência como uma telespectadora como “assistir o Robert achar que ele sabe, que é rápido de raciocínio e de lábia, além de muito inteligente, mas ele está em uma jornada emocional onde esses truques não vao funcionar.”

Ou nas gírias que poderiam ser chamadas de Downeyês, ele disse, “Eu acho que o que você pode falar é se você acha que está alcançando a mesma nota que precisa para ser flexível, e a coisa legal é que eu poderia me encontrar chorando não pela minha própria purificação, porque a história efetiva, de A a Z é mostrada, e isso deixa de ser sobre o que está falando, mas sim como esses temas e algorítmos se desdobram para mim.”

Downey está descansando em um sofá no TIFF, horas antes da estreia de O Juiz no prestigiado festival de cinema. Nessa entrevista e em um tipo de ligação, dessa vez mais relaxado, o ator entra altamente consciente de sua imagem, nas divisões que causaram fãs, a inquietação que lhe foi provocada.

Pessoalmente ele pode parecer tanto sábio quanto infantil, especialmente tendo em conta seu entusiasmo. Farmiga o descreveu como “Eu amo ele assim como amo um filhotinho. Ele chega até você com centenas de ideias, atravessa suas fronteiras e senta no seu colo. Ele é um Border Collie.”

Ele tem um jeito de falar que pode parecer direto e indireto. Downey é um animal raro, um ator que, graças a personalidade que ele implanta em um efeito único nas telas, torna muito difícil para que a maioria de nós distingua sua vida entre pública e privada.

Disse Susan Downey: “Ele é uma das pessoas mais fundamentadas que você vai conhecer, e você vai ter a oportunidade de ter essa conversa com ele. E quando você começar a entender, ele vai entrar em uma tangente que você não vai ter a habilidade de seguir.” Ela riu. “Eu acho que ele pensa de um modo diferente de muitos de nós, e por mais que ele tente ser um pensador linear, esse não é o padrão dele.” Ela adiciona, “É muito empolgante para as outras pessoas, mas eu acho que às vezes pode ser exaustivo para ele.”

(De Susan Downey, grávida do segundo bebê do casal, sua guia e produtora das formas mais tangíveis de Hollywood, Rober Downey disse, “Minha esposa aponta certamente ao norte. As pessoas pensam que ela é o Spock com peitos, e o que ela apresenta ao mundo é uma personalidade muito estruturada, mas ela é essa pessoa altamente intuitiva, criativa.”)

De fato, Susan Downey impulssionou O Juiz no meio de toda a loucura de Homem de Ferro anos atrás – Dobkin formulou a ideia em homenagem à morte de sua mãe e achou que Downey seria o homem perfeito para portar um boa pinta que foi derrubado – mesmo depois de ele ter dito a sua esposa que ele não queria reprisar um personagem jurídico depois de ter feito isso em True Believer e Ally McBeal. Ela persistiu e ocasionalmente o persuadiu.

Com suas oscilações entre drama de pálpebras pesadas e comédia simplista, O Juiz tem uma qualidade esquisofrência que tem polarizado alguns espectadores. Isso tomou uma forma particular em uma cena no banheiro que foi difamada por alguns em Toronto. Na cena, rompida por alguma fala típica de Downey que surgiu não muito tempo antes, Hank e o juiz, que sofre de uma doença terminal, se emocionam. A cena termina quando Hank segura seu pai quando o último perde o controle de suas funções corporais.

Talvez porque ele tenha produzido e ajudado a dar forma ao filme, ou talvez porque ele têm investido nessa fase de sua carreira de jeitos diferentes esses dias, Downey oferece uma defesa apaixonada para a cena.

“Era pra ser inquietante, não gráfico; o juiz foi feito para estar completamente exposto naquele momento” ele disse. “Alguém com quem você tem um quente e contestado relacionamento e em quem você consegue cravar a adaga, e no meio daquilo, algo assim acontece. Eu posso te falar, algo desse gênero aconteceu meia dúzia de vezes na minha vida e não importa quanto atrito você tem com alguém, se eles estão metaforicamente sangrando, você se entrega a eles.”

Como uma peça da velha escola, O Juiz está em nítido contraste com o entretenimento moderno de Hollywood, e você pode imaginar alguém que quer se livrar desse tipo de produção e ao mesmo tempo não pendendo para a preciosidade. (“Cuidado com a paixão”, diz Downey, fazendo uma cruz com os dedos) escolhendo esse tipo de negação típica. Downey tem, de fato, acabado com o tipo de Tony Stark e Sherlock Holmes nesse filme – não retornando o duro Less Than Zero ou os tranquilos charmes de Chaplin, no começo de sua carreira, mas sim, se direcionando a um tempo onde entretenimento de sucesso era sobre fogos de artifícios emocionais, não explosões criadas pela tecnologia. Downey rotula o filme como um “ótimo intervalo entre o capitalismo sem rodeios.”

Então, ele consegue? Downey consegue interpretar alguém diferente de quem ele vem sendo, quando suas habilidades pessoas e personalidade pública estão tão ligadas com o outro, quando seu jeito de ser está tão ligado a nossa cultura?

Ele e Susan acreditam que ele consegue. Mesmo se a Team Downey desenvolver Sherlock Holmes 3, existe um projeto sobre a transportadora naval da Segunda Grande Guerra, a Indianapolis e uma nova visão de Pinóquio em obras, e outros filmes que Robert poderia produzir, atuar, ou até mesmo escrever, além de várias séries de drama para a TV que a compania está desenvolvendo. Downey fala sobre si como “vindo de um mundo de off-Broadway que se fecha depois de uma noite.” Ele descreveu uma reunião com Robert Redford recentemente na qual Redford falou sobre o sofrimento em um filme independente. “E minha reação foi, ‘Eu quero isso.'”

“Ele tem uma versão única e eu acho que só conseguimos atingir a superfície dela.” Susan disse de seu marido.

Ou como soa em Downeyês:

“É interessante. Há uma oportunidade em colocar seu valor fora de sua própria pele, e querer prolongar uma projeção do que você representa em uma indústria ao invés de dizer, ‘Isso também vai passar.’ Mas meu relógio biológico está dirigindo o show. Eu vou fazer 50 anos ano que vem, e talvez ainda exista algo a mais em mim. Mas tempo é a única coisa não-negociável.”

Então ele faz uma pausa para voltar linear. “Eu acho que seria uma pena eu desperdiçar qualquer oportunidade que tenha surgido por simplesmente tomar ela de um modo seguro.”

Fonte