Categoria: The Judge

O GAROTO DA VOLTA POR CIMA

Como Robert Downey Jr superou anos de dependência das drogas para se tornar a estrela de cinema mais bem paga de Hollywood.

 

Quando a TV&Satellite Week chega no escritório de quatro andares de Robert Downey Jr em Venice, Califórnia, o ator de 50 anos parece ter acabado de chegar da academia, confortável na sua camiseta e seu moletom.

Seus escritórios estão entre os mais espetaculares que já vi. Há um terraço com espreguiçadeiras, uma cozinha e uma sala de jantar onde o chefe particular de Downey, Charles, prepara um almoço saudável de abacate, algas marinhas e tomate.

“Você gostou do filme?”, pergunta Downey durante a refeição, com apenas uma pitada de nervosismo. Ele está se referindo a O Juiz, o primeiro filme produzido pela Team Downey,  a empresa de produção que ele comanda com sua esposa Susan.

O drama de tribunal, que está disponível no Sky Premiere a partir de Sexta-feira, é um completo contraste com seus recentes papéis de super-herói em Homem de Ferro e Os Vingadores, e mostra Downey voltando ao estilo de atuação de sua primeira performance fora da Broadway nos anos de 1980.

 

AVISO AOS PAIS

Downey interpreta um ambicioso advogado de Chicago, Hank Palmer, que está retornando a sua pequena cidade natal em Indiana, para o funeral de sua mãe. É a primeira vez que ele está de volta em 20 anos e a rixa entre Hank e seu pai distante, Joseph (Robert Duvall) – o juiz da cidade – claramente está mais intensa.

No entanto, o relacionamento deles muda drasticamente quando o juiz é acusado de um homicídio após um “bater e correr”, e Hank se vê defendendo seu pai.

É um filme que trará uma grande reflexão emocional para qualquer um que tenha uma relação complexa com um dos pais. Isso inclui o próprio Downey, cujo pai, o cineasta Robert Downey Sr, agora com 79 anos, era um viciado em drogas.

Downey já havia falado sobre como seu pai o apresentou ao uso da maconha quando ainda era uma criança e, de maneira geral, incentivou uma vida boêmia.

“Sim, talvez ele tenha me dado muita rédia”, ele admite. “Nos últimos anos, pessoas que tiveram a mesma educação contra-cultura que a minha, me disseram que se rebelaram contra isso tornando-se quadradas. Rebelaram-se tornando-se materialmente bem sucedidas.”

Os próprios problemas de Downey com as drogas têm sido bem resolvidos. Depois de ser nomeado ao Oscar por seu papel principal em 1992, Chaplin, ele foi preso várias vezes por várias acusações relacionadas com as drogas, culminando numa estadia na cadeia e, em 1999, quase um ano no Centro de Tratamento no Abuso de Substâncias da Califórnia e Prisão Estadual.

Na sua saída da prisão, ele encontrou a salvação em um papel regular no drama de TV da época, Ally McBeal,  pelo qual ganhou um Globo de Ouro, porém logo depois foi expulso do show quando foi encontrado pela polícia perambulando descalço pelas ruas.

Após um período numa clínica de reabilitação, ele retornou com sucesso para as telonas em 2003, com um desempenho brilhante no filme Crimes de um Detetive. Dentro de cinco anos, seu retorno estaria completo com papéis em comédias bem recebidas pela crítica, como Trovão Tropical e Homem de Ferro,  como o incrível bilionário e super-herói Tony Stark.

Desde então ele reprisou o papel em duas sequências e outros filmes da Marvel, incluindo Os Vingadores, de 2012, um dos filmes de maior bilheteria da história com $1,5 bilhões, e atualmente está de volta em sua armadura do Homem de Ferro gravando Capitão América: Guerra Civil.

Ele muitas vezes se referiu ao seu teste para o papel em Homem de Ferro como o dia que mudou sua vida. Ele está agora prestes a ser o ator mais bem pago do mundo, recebendo supostamente entre $50 milhões e $75 milhões por filme.

“Sim, eu tenho ido muito bem”, ele diz. “Mas se você foi criado com uma mentalidade pobre, nada vai mudar isso. Eu venho de uma geração que tem tudo na mão. Eu adoro gastar dinheiro com presentes, mas eu odeio fazer um mau uso do dinheiro.”

 

MEU CARO WATSON

Seu próximo projeto será um terceiro filme para a sequência Sherlock Holmes, onde ele irá se reunir com Guy Ritchie, o diretor, e Jude Law, que interpreta o Doutor Watson. Ele está ansioso para estar de volta em Londres, faz uma imitação engraçada de Ritchie, e fala de Law com grande afeição.

“Não há nenhum outro alguém com quem eu prefira encenar coreografias de luta. Jude é como minha esposa de atuação. Totalmente confiável, tecnicamente e intelectualmente falando.”

Ele também faz vários elogios para sua verdadeira esposa, Susan, com quem recentemente teve uma filha, Avri. O casal também tem um filho de três anos, Exton, enquanto Downey também é pai de Indio, 21, de seu primeiro casamento com a cantora Deborah Falconer.

Apesar de sua série de atividades atuais, Downey diz que está ansioso para diminuir o ritmo e passar mais tempo com a família.

“Minha vida familiar é tão emocionalmente saudável”, ele diz. “Susan é uma ótima mãe e eu realmente gosto de estar sob seu comando quando estamos trabalhando. Eu nunca conheci alguém que pode ser tão curta e grossa, e ainda assim consegue dizer as coisas de um jeito que não magoa os sentimentos das pessoas.”

 

ROBERT DOWNEY JR O ATOR DE BILHÕES DE DÓLARES

Robert Downey Jr nasceu em Manhattan, Nova York em 1965, filho do ator e diretor, Robert Downey Sr. Até agora, seus filmes têm arrecadado um total de $7,5 bilhões de bilheteria.

Aqui estão seus maiores sucessos de bilheteria até então:

$2,8 bilhões: No papel do gênio, bilionário, playboy e super-herói Tony Stark, também conhecido como Homem de Ferro, nos dois filmes da sequência da Marvel: Os Vingadores (2012) e Os Vingadores: Era de Ultron (2015).

$2,3 bilhões: Obteve três sucessos de bilheteria como Tony Stark nos filmes do Homem de Ferro, o mais recente em 2013, mas atualmente nega que um quarto filme da sequência esteja a caminho.

$1 bilhão: Estrelou em dois filmes da sequência Sherlock Holmes, interpretando o famoso personagem de Sir Arthur Conan Doyle, em 2009 e 2011. Jude Law interpretou o Doutor Watson.

$263 milhões: Apareceu brevemente como Tony Stark em O Incrível Hulk (2008), estrelando Edward Norton.

$211 milhões: Mostrou seu lado de comediante no papel de um pai tentando chegar a tempo para o nascimento de seu filho no filme Um Parto de Viagem (2010).

$188 milhões: Seu papel como o auto obsessivo ator Kirk Lazarus, na comédia de ação de Ben Stiller em 2008, Trovão Tropical, rendeu a Downey Jr uma nomeação ao Oscar como Melhor Ator Coadjuvante.”

# 2015, Capa, entrevista, The Judge

”O Juiz” será lançado em DVD e Blu-ray na América do Norte no próximo ano, em 27 de Janeiro de 2015. As características especiais anunciadas até agora incluem:

-Comentários em áudio por David Dobkin

-Inside The Judge (Por dentro dos bastidores)

-Longa conversa com Dax Shepard

Agora só nos resta saber quando será lançado aqui no Brasil, vamos aguardar!

 

# blu-ray, DVD, Sem categoria, The Judge

O contraste entre os dois atores não poderia parecer mais evidente. Robert Duvall, introduzido primeiro ao público de pé, no pré-lançamento de O Juiz, no Museu de Arte do Município de L.A., é essencialmente impassível, aparentemente esculpido em granito, reservado e tranquilo. Robert Downey Jr., por outro lado, salta para o palco, com toda a energia inteligente e uma rajada de palavras e um sorriso a mostra a todo momento.

Sentados em cada lado do diretor do filme, David Dobkin, e conversando com o moderador Elvis Mitchell, curador do Cinema Independente do LACMA(MAMLA), pareciam ser fogo e gelo, yin e yang – até que a sagacidade de Downey começou a se mostrar e desenhou um brilho que em seguida conquistou um sorriso de Duvall. E tornou-se muito claro que muito em breve “Bobby” Duvall – como RDJ o chama – definitivamente pode vender seu peixe no departamento de inteligência. A transcrição da entrevista a seguir:

Mitchell: Sr. Duvall, quando e como você decidiu fazer este filme?

Duvall: Bem, primeiro eu recusei. Mas, em seguida, David Dobkin e Robert e Susan insistiram, e todos nós conversamos, e eu decidi fazê-lo. Foi uma parte difícil. Eles me disseram que era um grande filme, e eu sabia disso. Às vezes, porém, quando você recusa algumas coisas e acaba voltando atrás, as coisas parecem de alguma maneira melhores.

Downey: Por sinal, uma estratégia excelente de negociação.

Duvall: Sabe, é difícil encontrar um grande material, e este foi um roteiro extremamente inteligente, muito inteligente. Grandes pessoas para trabalhar, Robert aqui, e Susan Downey, e David e todos. Uma equipe excelente, um elenco fantástico. E nós tivemos 60 dias para fazê-lo. Sabe, você geralmente só tem 23(dias).

Mitchell: Quais filmes você já recusou antes?

Duvall: O Grande Santini eu recusei. Às vezes, quando você reconsidera, o material parece melhor. Sabe, você tem dúvidas – mas você tem de se comprometer, e uma vez que você se compromete, você se compromete. Quando as pessoas me perguntam “O que você usa como pesquisa?” Eu digo que eu não uso nada, eu simplesmente atuo, eu me entrego a isso e o faço. E trabalhar com essas pessoas. Essas pessoas. (olha para Downey) – eles foram maravilhosos para se trabalhar. Esse pode ser talvez o maior filme que eu já fiz desde Apocalypse Now. Há um longo tempo atrás. Muito tempo.

Dobkin: A primeira conversa que eu tive com Duvall foi ao telefone. Eu sabia que ele estava indeciso sobre fazer o filme. Eu queria que ele soubesse que eu e Robert somos grandes fãs – nós dois acabamos de ver um filme chamado Segredos de um Funeral. (platéia aplaude)

Downey: (para Duvall) E o que você pensou de Segredos de um Funeral a primeira vista? Você recusou também?

Duvall: (ri, balança a cabeça)

Downey: É bom que ele continue recusando esses filmes, ou seus companheiros teriam biografias muito curtas.

Dobkin: Tivemos uma breve conversa, sabe; e havia uma ligação sobre o material, a autenticidade e o fato de que esse tipo de filme não é mais feito nos estúdios.

Duvall: Isso. Filmes independentes, do tipo que eles costumavam fazer nos anos 70. As pessoas dizem que não gostam mais deles, mas eles ainda gostam. No entanto, eles não são mais feitos dentro do sistema.

Mitchell: Eu tenho que dizer, Sr. Downey, quando você interpreta pais, esses caras todos parecem ser tremendamente frustrados: Charlie Bartlett, Um Parto de Viagem – eles são facilmente frustrados. E eu me pergunto o que isso desencadeia em você, fazendo esses caras que meio que tem o temperamento muito instável.

Downey: (Para a platéia) Você percebe como as primeiras perguntas eram boas e generosas? (Para Mitchell) Você está perguntando, tipo, o que há de errado comigo?

Mitchell: Eu nunca falaria isso na sua cara.

Downey: Basicamente o que aconteceu foi que David teve essa ideia, e quando você é um escritor/diretor e você está brincando com uma ideia, geralmente vem em algum lugar fora de sua experiência pessoal. E gastamos um monte de dinheiro da Warner Bros nesta coisa de desenvolvimento, e nós tivemos um monte de coisas que pensávamos que iríamos fazer – e quanto mais nós nos sentamos juntos para resolvê-lo, mais eu me senti como, uau, isso vai ser realmente especial. A propósito, no começo eu também disse, bem, eu vou dar essa oportunidade à patroa – ela gosta desse tipo de drama de tribunal/família, parece bastante divertido, sabe – eu quero fazê-la feliz. Assim, como o Bobby estava dizendo, às vezes você inicialmente tem um pouco de resistência às coisas. E, honestamente, acabou por ser uma das melhores experiências que tive na minha carreira, apenas o processo de desenvolvimento desse filme – apenas um grupo de rapazes, a patroa, os escritores e todas essas coisas. Mas foi realmente quando Bobby chegou – é aí que você vê que conseguiu, é aí que você vai para casa e diz que realmente vai acontecer. Então é só uma questão de execução.

Leia mais

# David Dobkin, Dax Shepard, entrevista, filme, Robert, Robert Downey Jr., Robert Duvall, Sem categoria, The Judge